Minha Marmita Tem

comidas japonesas de mentirinha

Comidas japonesas de mentirinha

Quando eu estive no Japão, pude ver ao vivo as comidas japonesas de mentirinha que ficam expostas nas vitrines dos restaurantes. Não é apenas um lugar ou outro que faz isso: a grande maioria dos restaurantes expõe os pratos de seu menu em réplicas perfeitas do lado de fora!

Por causa disso, fiquei bem curiosa quando eu vi um artigo contando um pouco sobre esse ofício. Sim, fazer comidas japonesas de mentirinha é uma profissão levada a sério no Japão!

Então eu tomei a liberdade de traduzir o artigo para quem tiver curiosidade 😉

A falsificação da comida no Japão: uma tradição feita para torturar

Elas podem parecer gostosas o suficiente para serem devoradas, mas as réplicas de pratos japoneses que dão água na boca são apenas para mostruário em restaurantes que competem pela atenção dos clientes esfomeados.

As réplicas são pontos turísticos nessa nação obcecada por comida e vão desde cervejas cheias de espuma e sushis perfeitamente pintados e envernizados até hambúrgueres e tiras de porco frito, o famoso tonkatsu.

Fabricar comida de mentira é uma arte que Noriyuki Mishima vem aperfeiçoando pelas últimas 6 décadas.

“Eu nunca fiz as contas, mas eu devo ter fabricado dezenas de milhares de pratos”, diz o senhor de 79 anos, enquanto colore um pedaço de carne assada. “Provavelmente, a parte mais difícil é acertar na cor.”

comida de plástico

Não existem equipamentos complexos nem ferramentas especiais no Hatanaka, empresa de 8 pessoas no subúrbio de Tokyo onde os veteranos (como Mishima) se reconhecem como artistas.

São apenas ferramentas simples de corte, pincéis, aerógrafos e fornos de secagem na pequena empresa chamada “Fake Food Hatanaka” (em tradução literal, Comida Falsa Hatanaka).

Eles não usam mais cera – hoje em dia é usado um silicone mais durável – mas a prática pouco mudou desde que as primeiras réplicas foram feitas no Japão cerca de 1 século atrás.

No começo da década de 20, os artistas que fabricavam réplicas de órgãos humanos para médicos eram abordados por restaurantes para que fizessem comidas japonesas de mentirinha para suas vitrines.

A ideia se espalhou rapidamente conforme o hábito de comer fora aumentou e a população rural começou a migrar em grande quantidade para as cidades. Como não estavam acostumados com o que os restaurantes da cidade tinham a oferecer, as réplicas mostravam aos moradores do campo uma prévia dos pratos que eram especialidades do chef.

como a comida falsa é fabricada

As réplicas também são muito úteis para que os turistas de fora consigam apenas “apontar e pedir”, pois a maioria dos menus está apenas em japonês.

“Fotos não dão a noção real de volume – as réplicas são em tamanho real, então os clientes já sabem exatamente o que esperar quando entram num restaurante, antes mesmo de serem servidos”, diz Norihito Hatanaka, que comenda a empresa familiar que foi fundada no meio da década de 60.

réplica de omurice

Hatanaka não se preocupa muito com a ameaça de que novas tecnologias (como as impressoras 3D) tomem o lugar da indústria da réplica de comida.

“As impressoras 3D não conseguem recriar o toque final do artista e esse processo seria definitivamente mais caro, pois os materiais custam mais e você ainda teria que pintar as peças”, diz ele.

“É um trabalho para humanos que têm a criatividade que as máquinas não possuem. Elas não sabem o que é bonito e apetitoso.”

Para o veterano Mishima, um dos trabalhos mais difíceis é reproduzir alimentos crus, como o sushi.

“Quando é peixe grelhado, as cores características são mais fáceis de recriar”, ele diz. “Mas criar a cor de algo fresco – isso é difícil”.

Qualquer comida pode ser recriada à partir de um molde de silicone, seja ela um bolo fofinho ou um hambúrguer saído da grelha.

Cada pedaço – pão, carne, tomate, queijo – é fabricado separadamente antes de serem pintados e montados peça por peça.

O último passo é uma camada de verniz para deixar a comida com aquela cara suculenta e chamar a atenção dos pedestres esfomeados que estão passando.

comida japonesa de plástico

Mas as réplicas não são baratas. Um único prato pode custar centenas de dólares, então alguns restaurantes alugam os modelos por uma mensalidade que chega a valores acima de ¥6,000 (cerca de 60 dólares).

Takizo Iwasaki – cuja lendária empresa controla metade desse mercado no Japão – é amplamente creditado por transformar a comida falsa num negócio de 90 milhões de dólares.

Porém, essa não é uma indústria em crescimento.

Restaurantes mais modernos rejeitam a ideia de usar réplicas de plástico para apresentar seus pratos, e essa ideia não pegou fora do Japão.

Mas Mishima e suas colegas – 3 mulheres de 20 e poucos anos – não acham que as comidas japonesas de mentirinha vão desaparecer da história da culinária por enquanto.

“É um sonho de infância fabricar comida de mentira”, diz a funcionária Asumi Shimodaira, enquanto trabalha num prato de ravióli não comestível.

Para o presidente Hatanaka, os modelos “em ação” – como o spaghetti enrolado no garfo e suspenso no ar – são seus favoritos.

Mas a empresa não está acomodada em se apegar a velhas receitas: está nascendo uma nova linha de acessórios fashions, como brincos de fruta, anéis de ovo frito e tiaras com fatias de bacon.

réplica de comida japonesa

Eles também fazem peças para quem deseja sapatos excêntricos ou vitrines divertidas. Um par de botas coberto com torradas de plástico, sorvete derretido e geleia de frutas pode custar ¥36,000 (cerca de 360 dólares).

“Não estamos satisfeitos em apenas criar as encomendas para os restaurantes”, Hatanaka diz, “nós queremos fabricar criações originais também”.

 

E aí, você já conhecia as comidas japonesas de mentirinha? Se quiser ler o artigo original em inglês, clique aqui.

Comente o que achou!

comments